Sedec-RJ realiza Curso Básico de Percepção de Risco em Estrutura Edificada PDF Imprimir E-mail

 

Capacitação estimula discussões sobre o tema e ressalta as percepções de riscos

 

A Secretaria de Estado de Defesa Civil (Sedec-RJ), por meio da Escola de Defesa Civil (Esdec), realizou, durante a semana de 25 a 29 de abril, o Curso Básico de Percepção de Risco em Estrutura Edificada (CBPREE). O objetivo foi promover o intercâmbio de conhecimentos de forma a incentivar o diálogo e a divulgação dos conhecimentos científicos e tecnológicos, além deressaltar as percepções de riscos durante os socorros. Ao todo, 37 técnicos participaram das atividades.

 

- A ênfase às metodologias usadas para a identificação e caracterização de áreas de risco, consideradas importantes elementos para a elaboração de mapeamento e gestão do risco dedesastres, foi um dos pontos altos da capacitação – ressaltou o superintendente operacional da Defesa Civil do Estado, coronel Marcelo Hess.

 

Para o diretor da Esdec, tenente-coronel Marcio Romano, observar situações de risco durante as atividades operacionais de socorro é primordial para os militares atuarem com perfeição, resguardando, inclusive, suas vidas.

 

- Um dos focos do curso foi atentar para a importância da percepção de riscos, que é essencial para todo o processo da operação – destacou.

 

À frente dos conteúdos técnicos da capacitação esteve o engenheiro Orlando Sodré, da Defesa Civil do município do Rio de Janeiro, compartilhando as técnicas desenvolvidas no país e no mundo, tanto em âmbito acadêmico como na prática profissional.

 

O curso envolveu abordagem em diversas frentes, como Introdução à percepção de Risco; Estimativa dos Riscos de desastres; A identificação das principais estruturas da construção; A caracterização de materiais utilizados na Construção Civil; A observação de características básicas dos metais nas construções e suas propriedades; Noções de Sintomas e Falhas nas Estruturas; Noções de escoramento em estruturas; Noções de inspeção com segurança, Verificação de Cenário de Desastre; parametrização da vistoria técnica e confecção de relatório; Aspectos Jurídicos básicos nas atividades de vistorias técnicas preliminares e medidas cautelares, entre outras.

 

Entre os participantes estavam militares do CBMERJ, representantes das defesas civis dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Maranhão e Espírito Santo; e de instituiçõesde ensino superior, como a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), além do CPRM-Serviço Geológico do Brasil e voluntários do Processo Apell.